Consultório (19) 3231-1954 / 3231-2886 / 3234-9915 contato@marianazorron.com.br
img_mz_barriga

Cuidados para o recém-nascido na Maternidade

Apesar de o ato de ser mãe ser inerente a todos os animais, com uma quantidade cada vez maior de informações e recursos médico-hospitalares disponíveis, muitas vezes ficamos perdidos sobre o que é realmente relevante nos cuidados do recém-nascido na maternidade e qual maternidade escolher.

Primeiramente, informe-se se o local que está pretendendo ter o seu bebê possui um suporte de unidade de terapia intensiva (UTI) tanto para a mãe quanto para o bebê, pois muitas vezes esse suporte existe, porém em locais distintos, dessa forma, caso haja algum imprevisto (nenhum de nós quer isto aconteça, mas temos que pensar nesta possibilidade, principalmente se a gravidez já é de risco), a mãe e o bebê ficarão em hospitais diferentes, o que muitas vezes dificulta a locomoção e o apoio familiar, sem mencionar no estresse para a mãe e para o bebê.

Também é importante verificar se os médicos da UTI neonatal realmente são especialistas em neonatologia, pois esta especialidade é a mais indicada para cuidar de bebês em situação de risco que necessitem de internação em UTI.

Atualmente o que se recomenda é que o Hospital seja considerado amigo da criança, ou seja, tenha preferência pelo parto normal, que o aleitamento materno ocorra na primeira hora de vida, e que o recém-nascido permaneça com a mãe no mesmo quarto.

Os cuidados iniciais prestados pela maternidade ao recém-nascido incluem:

  • Colírio de nitrato de prata ao nascimento, para se evitar conjuntivite neonatal, sobretudo em bebês nascidos de parto normal;
  • Dose profilática de vitamina K;
  • Cuidados com o coto umbilical com álcool 70%;
  • 1a dose da vacina da Hepatite B;
  • Algumas maternidades também aplicam a BCG; quando esta vacina não é aplicada na maternidade, pode-se fazê-la numa Unidade Básica de Saúde (UBS).

O teste do pezinho é um exame que deve ser realizado em TODOS os recém-nascidos, devido ao fato de diagnosticar precocemente doenças que podem levar a graves sequelas ou até mesmo a morte. No estado de SP estão incluídas 6 doenças pelo teste do pezinho realizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde):

  • Hemoglobinopatias (ex. Anemia falciforme)
  • Hipotireoidismo Congênito (para mais informações sobre esta doença clique aqui)
  • Fibrose Cística
  • Fenilcetonúria
  • Hiperplasia Adrenal Congênita
  • Deficiência de Biotinidase

Newborn baby - feet, macro, white bckground
O teste do pezinho deve ser coletado entre 72 horas e 7 dias de vida. Esta coleta pode ser feita na própria maternidade ou em Unidades Básicas de Saúde.

Lembrando que, caso o bebê seja prematuro ou necessite de transfusão sanguínea, o exame deverá ser recoletado ou postergado.

Antes da alta, o pediatra da maternidade deverá anotar na carteirinha de vacina/maternidade:

  • Ortolani (exame clínico para verificar displasia de quadril)
  • Reflexo do olho vermelho (ROV – exame realizado pelo pediatra para verificar retinoblastoma)
  • Teste do coraçãozinho (exame que verifica a saturação de oxigênio nos membros)
  • Pesagem do recém-nascido na data da alta

Além disso, o exame de emissões otoacústicas (EOA = exame da orelhinha), deverá ser agendado para realização após a alta; e a primeira consulta com o pediatra deverá ocorrer nos primeiros 7 dias de vida, pois nesta fase o bebê costuma perder peso e é necessário um acompanhamento mais minucioso.

Importante também checar se todos os dados do nascimento como peso de nascimento, comprimento de nascimento, perímetro cefálico de nascimento, apgar e Capurro (idade gestacional datada pelo exame físico do recém-nascido pelo pediatra) constam na carteirinha do seu bebê. Esses dados ajudarão muito o pediatra que irá acompanhar seu filho(a) daqui em diante!