Consultório (19) 3231-1954 / 3231-2886 / 3234-9915 contato@marianazorron.com.br

PUBERDADE PRECOCE

Puberdade é uma fase de transição entre a infância e a vida adulta, que se caracteriza por mudanças corporais e psicológicas. É nessa fase também que ocorre o “famoso” estirão puberal, que corresponde ao rápido crescimento linear observado nessa época.

As mudanças corporais se devem ao aumento dos níveis dos hormônios sexuais. Na menina ocorre a elevação dos níveis de estrogênio e progesterona, sendo o primeiro sinal o aparecimento das mamas. Já nos meninos há uma elevação dos níveis de testosterona, com aumento volume testicular.

A puberdade geralmente se inicia entre os 8 e 13 anos no sexo feminino e entre os 9 e 14 anos no sexo masculino.

Os pelos pubianos se desenvolvem por ação dos andrógenos secretados pelas glândulas adrenais (adrenarca), e ocorre independentemente da ativação das gônadas (ovários e testículos).

Existem algumas variantes da puberdade normal que não são consideradas como puberdade precoce:

  • Telarca precoce isolada (desenvolvimento mamário na menina uni ou bilateral sem outros comemorativos)
  • Pubarca isolada (desenvolvimento de pelos pubianos antes dos 8 anos na menina e dos 9 anos no menino)
  • Menarca precoce isolada (sangramento vaginal antes dos 8 anos sem aparecimento de mamas ou avanço de idade óssea).

Assim sendo, a puberdade precoce, como o próprio nome diz, é a manifestação da puberdade em meninas menores de 8 anos e em meninos menores de 9 anos. Nessa situação é necessário que a criança passe em consulta médica com um endocrinologista pediátrico para diagnóstico e tratamento adequados.

As causas da puberdade precoce podem ser divididas em:

  • Central: quando ocorre alteração na secreção no hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH), este produzido numa região específica do cérebro, o hipotálamo, que por sua vez ativa o eixo hipófise-gônadas.
  • Periférica: quando não há a ativação do eixo hipotálamo-hipófise, há somente a ativação das gônadas com consequente aumento dos níveis dos hormônios sexuais.

O tratamento consiste na correção de possíveis causas ou doenças que possam estar ocasionando essa ativação hormonal precoce.

O tratamento com medicações que levam ao chamado “bloqueio puberal” somente deve ser indicado em casos de precocidade sexual bem definida e, principalmente, nas crianças nas quais existe a possibilidade de comprometimento importante da estatura por fechamento precoce das cartilagens de crescimento devido a essa ação hormonal.

É essencial lembrarmos que cada criança deve sempre ser avaliada individualmente segundo suas características físicas, familiares/culturais e, principalmente, psicológicas. 

PUBERDADE ATRASADA

A puberdade consiste numa fase de mudanças físicas e emocionais, compreendendo a transição entre a infância e a vida adulta.

Normalmente ela ocorre entre os 8 e 13 anos na menina e entre os 9 e 14 anos no menino. Dessa forma, por definição, entende-se como puberdade atrasada a manifestação da puberdade (aparecimento de mamas/aumento do volume testicular) após as idades máximas descritas.

Esse atraso puberal pode repercutir de um modo negativo nesses adolescentes, levando a problemas psíquicos, caso não recebam tratamento em tempo adequado, uma vez que para os adolescentes é muito importante a identificação com o grupo.

Na puberdade normal ocorre a ativação de uma região específica do cérebro denominada hipotálamo, esta por sua vez estimula a produção dos hormônios folículo estimulante (FSH) e luteinizante (LH) na hipófise, que atuam nas gônadas (testículos e ovários) para a produção de estrogênio e progesterona nas mulheres e testosterona nos homens.

A puberdade atrasada pode ser secundária a uma falta na produção dos hormônios hipotalâmico-hipofisários (hipogonadismo hipogonadotrófico) ou a uma ausência de produção dos hormônios gonadais (hipogonadismo hipergonadotrófico).

Existem várias doenças que podem causar ambos os tipos de hipogonadismo, portanto uma avaliação médica é sempre necessária para o adequado diagnóstico e tratamento.

Também existe o atraso constitucional da puberdade que consiste no início da puberdade mais tardiamente que a maioria da população, porém com um crescimento lento, mas no limite inferior da normalidade, atingindo-se uma estatura final dentro do canal familiar.

O tratamento compreende na reposição hormonal em ambos os sexos, que deve ser acompanhada por um endocrinologista pediátrico.

A puberdade atrasada pode atrapalhar o acúmulo de massa óssea que deveria ocorrer nessa fase, sendo o tratamento dessa patologia importante para a prevenção da osteoporose.

 

Este material tem objetivo puramente informativo e não isenta a necessidade de consulta a profissional capacitado e habilitado.

Referências Bibliográficas:

1. Miachon, A. A. S., Spinola e Castro, A. M. Início da puberdade antes dos 8 anos na menina e dos 9 anos no menino: variação do normal ou puberdade precoce? Disponível em http://www.spsp.org.br/site/ASP/materias.asp?id_pagina=29&Sub_Secao=121. Acesso em: 14 de fevereiro de 2014.

2. Madeira, I. R. Educação Médica Continuada. Disponível em http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=24&id_detalhe=1234&tipo_detalhe=s. Acesso em: 14 de fevereiro de 2014.

3. Beserra, I. C. R. Puberdade Precoce. Revista de Pediatria SOPERJ – suplemento, p62-67, 2011.

4. Puberdade Precoce ou Atrasada. Disponível em http://www.endocrino.org.br/puberdade-precoce-ou-atrasada/. Acesso em: 14 de fevereiro de 2014.

5. Madeira, I. R. Educação Médica Continuada. Disponível em http://www.sbp.com.br/show_item2.cfm?id_categoria=24&id_detalhe=1234&tipo_detalhe=s. Acesso em: 14 de fevereiro de 2014.

6. Castro, A. S. Retardo Puberal. In: Endocrinologia para o Pediatra. São Paulo. Atheneu, 2009. P. 167-174.